quarta-feira, 9 de agosto de 2017

AÇÕES TÁTICAS ESPECIAIS


A desaparelhada Polícia Militar de outros tempos no Maranhão vem passando por um vigoroso processo de renovação desde que o governo Flávio Dino se instalou em janeiro de 2015. Além da incorporação de cerca de 2000 homens à tropa e do reaparelhamento da PM, cursos de especializações e criação de grupos destinados a operações especiais, de alto risco, passaram a integrar o calendário de soluções para o combate ao crime no Estado.
Na última sexta-feira, 4, o Secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela e o Comandante Geral da PM, coronel Frederico Pereira participaram da solenidade de encerramento do Curso de Ações Táticas Especiais, através do qual 21 concludentes, após 60 dias de treinamento em São Luís e municípios do interior, além de estágios no BOPE em Recife e Custódia, também em Pernambuco, no Batalhão Especializado de Policiamento do Interior, (BEPE- CIOSAC, passaram a integrar o policiamento especializado do Maranhão.
 Esse que contribuiu substancialmente para zerar os assaltos a instituições financeiras com explosivos no Estado e expurgou daqui quadrilhas interestaduais de assaltantes de bancos. A exemplo do COSAR – a Companhia de Operações de Sobrevivência em Área Rural, formada através de curso ministrado pelo 50 BIS, unidade do Exército Brasileiro que inclui tiro tático, técnica de abordagem, tiro pessoal, ações antibomba, invasões táticas com explosivos, primeiros socorros, patrulha e antiterrorismo.
Esses grupamentos de operações especiais fazem parte, hoje, do corpo da Polícia Militar em vários estados do Brasil e criaram um novo e estratégico conceito de policiamento, principalmente no que tange a combate ao crime organizado. São especiais porque atendem a situações de alto risco como resgate de reféns, incursões a lugares inóspitos, regiões urbanas conflagradas e regiões de mata fechada. O Curso de Ações Táticas Especiais é um dos mais exigentes da PM e implica em grande dedicação e excelente preparo físico do policial para o ingresso. São homens que vão se tornar capazes de manejar armamentos pesados e complexos, como submetralhadoras, Colt M16, lunetas telescópicas, espingardas FAL, além de armamentos não letais.
 Com a solenidade de encerramento de mais esse curso no âmbito da PM, o secretário Jefferson Portela reforçou “O compromisso do governo do Estado, da Secretaria de Segurança Pública e do Comando Geral da PM de priorizar a qualificação dos policiais de forma geral”.
Conhecido pela admiração e pela credibilidade que reputa aos policiais do Maranhão, o secretário Jefferson Portela encerraria a solenidade saudando, pela enésima vez, a integração das forças de segurança em todo o Estado: “Tenho convicção plena de que os senhores irão nos ajudar a retroceder ainda mais os índices de criminalidade. Com a força da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Guardas Municipais que já estão trabalhando de forma integrada em todo o Maranhão”.
E é essa mudança de propósitos, essa convicção de que as polícias devem trabalhar em consonância com a sociedade, esse novo olhar da segurança pública que tem permitido uma paulatina redução, ano a ano, de todos os índices de criminalidade no Maranhão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.